Biblioteca

11/08/2017

Peregrinação a Santiago de Compostela: Missão!

Missão! – Foi assim que assumi a peregrinação deste ano a Santiago.
A meio das férias, houve uma semana de missão. Missão de acompanhar um grupo de jovens, na sua maioria desconhecidos para mim, que se predispôs a caminhar até Santiago.
Não conhecer cada um dos que se fez ao caminho, fez com que tudo colocasse nas mãos de Deus, para que fosse Ele agir e não eu… fez com que baixasse a guarda e me deixasse surpreender por Ele e por cada um dos que comigo caminhou.


E foi uma dádiva muito grande ver como cada um e cada uma cresceu ao longo desta semana, como se foi adaptando perante as dificuldades, como fizeram o caminho exterior, mas também interior.


Peregrinar é sair da nossa zona de conforto e irmos além de nós próprios, é irmos ao encontro do outro, e no outro encontramos Deus.
Foi Ele que vi em cada um de vós, de uma forma ou de outra, em cada sorriso, abraço dado ou lágrima vertida.
Ali, naquela simplicidade do caminho, mas no turbilhão de sentimentos, ali O encontrei, porque me deixei surpreender por Ele, através de vós!

E como de todas as missões, fica a nostalgia de ter chegado ao fim, mas a certeza de que a missão… o caminho começa agora. Chegamos a Santiago e regressamos às nossas casas e é aí no nosso dia-a-dia que a missão, o caminho continua. 

Desta semana de caminho, fica esta certeza, que quando tudo falha, é Deus que permanece a nosso lado, nos fortalece e anima… Ele é o único que permanece fiel, nós podemos ser infiéis, mas Ele sempre está lá para nós, construindo com cada um de nós uma história.
Confia em Deus e avança no caminho, deixa-te conduzir por Ele e não tenhas medo, Deus não te tira nada, antes dá-te tudo! 
Bom caminho!

Ir. Ana Margarida Lucas



Encontro de Juniores: Peregrinação aos lugares da nossa história

Nos dias 20 e 21 de Maio, a convite da Madre Geral, as Juniores presentes em Portugal peregrinaram aos lugares da nossa história, enquanto Congregação, percorrendo alguns dos lugares da Madre Fundadora em Lisboa, Outão (Setúbal) e Subserra (Alhandra). 


Esta peregrinação foi um momento único e especial. Calcorrear os mesmos caminhos que Teresa de Saldanha há um século atrás percorreu fortaleceu-nos o espírito e encheu-nos de alegria, por vermos com os nossos próprios olhos, o que a maioria de nós só conhecia dos livros. 

Percebemos as suas dificuldades, as suas angústias, os seus desejos, a sua vontade férrea de ir mais além não desistindo perante os problemas, antes tomando-os como alavanca para avançar, reconhecendo neles a vontade de Deus. Ali naqueles caminhos foi fácil pensar quantos rosários havia rezado, quando ia ao encontro das irmãs e dos pobres daqueles bairros, como depois colocava todos os problemas que encontrava na oração. Invocar a cada passo a Madre Fundadora foi natural, pois era como se ainda ali sentíssemos a sua presença.

Estes dias foram um estímulo para nós, para a nossa opção de consagração total a Deus, na família Dominicana, segundo o carisma de Teresa de Saldanha. Percorrer os lugares evocativos da sua presença é sempre especial, mas fazê-lo em conjunto com as manas mais novas é sem dúvida marcante. Foi muito bom partilhar estes dias, sentir a alegria, o carinho, a amizade, a fraternidade! Fica o desejo que aconteçam outros momentos como este, em que possamos crescer juntas na nossa consagração.

Madre Geral, Ir. Hortência (Moçambique), Ir. Aurélia e Ir. Ester (Timor-Leste), Ir. Nélia (Moçambique), Ir. Ediana (Timor-Leste, Ir. Ana Margarido e Ir. Liliana (Portugal)
Ir. Teresinha, Ir. Ana Margarida, Ir. Liliana, Ir. Glória Bravo, Ir. Ester, Ir. Ediana, Ir. Aurélia, Ir. Nélia, Ir. Hortênsia, Ir. Angélica
Texto e imagens: Irmãs Juniores em Portgal









10/08/2017

Santiago: Um pequeno Passo na minha Vida, um grande Salto para a minha Caminhada na Fé!!!

Mais um Verão, mais uma aventura…!

… e todas elas têm sido especiais à sua maneira, mas esta teve um sabor diferente. O facto de ter superado em muito as minhas expectativas e medos, fez desta aventura uma experiência inesquecível. O facto do Caminho e das orações me terem dado a oportunidade de encontrar, finalmente, o significado que o Espírito Santo tem para mim, fez desta aventura uma experiência inexplicável. E ainda, o facto de ter conhecido um grupo de pessoas, todas com caraterísticas e feitios diferentes, mas cada uma feita à imagem de Deus, fez desta aventura uma experiência incrível.


“Porquê o Caminho de Santiago?”  Foi das primeiras perguntas que me fizeram na atribulada viagem de comboio rumo a Vigo. Respondi que antes de começar a minha vida profissional gostaria de, em cada Verão, dar mais um, dois ou três passos na minha Caminhada na Fé (como lhe gosto de chamar).

E como esta minha Caminhada já tem alguns passos, queria acrescentar os muitos milhares de passos que se dá rumo a Santiago de Compostela. Ao contrário do que muita gente pensa, o grande objetivo não é chegar a Santiago, mas sim fazer CAMINHO e ficar a conhecer as nossas fragilidades, os nossos receios e as nossas dúvidas, mas também a garra, a força e a vontade de vencer que temos dentro de nós. E foi com este objetivo que rumei a Santiago: “O que quero eu para mim? E, o que será que Deus quer para mim?”



O verdadeiro Caminho começou! Na maioria dos dias o caminho foi “fácil”, ou melhor, digamos que senti a presença d’Ele a 100%. Porém, nos últimos 8 Km do 2º dia, devido às dores que começava a sentir, questionei-me se haveria Alguém a meu lado. A dúvida permaneceu...
Chegou o 3º dia, em que nos fizeram a pergunta de quem era para nós o Espírito Santo. Nunca tinha pensado verdadeiramente nesta questão, porém a primeira coisa em que pensei foi no meu Crisma. Se após 12 anos de catequese, o dom do Espírito Santo fortalecido no Crisma me deu força para abrir uma nova janela, e continuar a minha Caminhada na Fé de uma forma mais independente, então porque não me haveria de dar força para fazer O Caminho!?
Chegou o 4º dia, e com ele, o tão temido silêncio. Como seria eu capaz de fazer silêncio, se até ali O Caminho tinha sido feito a cantar, a dançar, a rezar, a partilhar e a falar?! Como seria eu capaz de ter um amigo novo mesmo ali ao meu lado e não poder tocar-lhe com a minha voz?! … e eis que apareceu de novo o Espírito Santo, este Alguém que não Se vê, que não Se sente, e que não Se ouve. Foi através Dele, que naquele dia de silêncio e de introspeção vi, em cada pessoa que caminhava ao meu lado e que passava por mim, um “Pedacinho de Deus”, e que encontrei a resposta à dúvida que permanecia há dois dias.

Chegámos a Santiago, e o grupo que na missa do Envio era tímido e acanhado, gritava com toda a força e fé em Deus “Santiago é nosso até morrer” rumo à Catedral, sem esquecer que “Sou (eramos) Peregrino”. As dores, as bolhas e todas as outras coisas negativas que o grupo carregava, tinham simplesmente desaparecido. Até me atrevo a dizer em tom de brincadeira que foi: “Por alma e graça do Espírito Santo!”


Chegámos! E chegámos todos juntos, em grupo, como um só. Um grupo de pessoas incríveis, fortes, capazes e bonitas aos olhos do nosso amigo JC. Um grupo que tenho orgulho em dizer que fiz CAMINHO com ele ao meu lado. Um grupo que estou grata de ter conhecido. Obrigada! E como por trás desta maravilhosa experiência, e deste grande grupo está uma equipa de organização excelente, um obrigada do fundo do coração.

A minha Caminhada na Fé vai continuar, com o desejo de voltar a fazer O Caminho, e passar por tantas pessoas com uma fé igual ou superiora à minha e dizer-lhes “Buen Camino!”.
Eu calcei de novo as sapatilhas. E tu? 


 
                                                                    Sara Costa                            























09/08/2017

Santiago de Compostela: Carimba no coração o nome do irmão!

Preguiça e comodismo. Medo e tibieza. Férias e trabalho. Indisponibilidade e até incapacidade. 
De tudo isto fiz desculpa durante vários anos para evitar fazer o Caminho de Santiago! 

 

Este ano, dou graças por ter realizado esta experiência espiritual, ciente de que para cada prova há uma esperança! Agora, mais que nunca, sei que até a maior peregrinação começa com um pequeno passo! Dá-lo é imperioso!

Canta assim a fadista: "É preciso perder pra depois se ganhar e mesmo sem ver acreditar"! Aquilo que se ganha na vida e para a vida, no Caminho, depois de "cada passo que demos em frente", "caminhando sem medo de errar", é sumamente mais saboroso que tudo. 

Dou graças a Deus por quanto cada passo se revestiu simultaneamente de uma majestade e de uma simplicidade, de um assombro e de uma maravilha permanente. Dou graças a Deus porque no Caminho todos somos importantes, todos somos necessários, todos somos peregrinos.


Quem faz o Caminho em grupo, além dos selos na credencial, como que carimba no coração o nome daqueles que o acompanham. Foi isto que senti em relação a cada um dos que comigo se fizeram em frente, quando celebrei a eucaristia ou a reconciliação, quando partilhei a Palavra, o silêncio e o pão, quando acompanhei no passo firme ou arrastado, quando cantei ou dancei, quando ri e até quando chorei.


Agora, continuo a pedir que Deus me conceda o dom, reforçado também no Caminho, de saber e sentir que sou chamado a ser Padre e Pastor, sem deixar de ser Discípulo! Porque nada terei a dizer aos meus irmãos se não estiver disposto a caminhar com eles, e também fisicamente. 
Porque quero carimbar no coração o nome de cada irmão!

Pe. JAC



08/08/2017

Em dia de São Domingos de Gusmão!

Domingos de Gusmão nasceu em Calaruega (Espanha) por volta de 1170. Por meio da sua pregação e do exemplo da sua vida, combateu com grande êxito a heresia dos Albigeneses. 

São Domingos foi um ser profundamente humano, que acreditou no diálogo, na liberdade e na capacidade de escolha em plena Idade Média. A humanidade deste homem é composta por diversos contrastes: vigor e ternura, vontade firme e coração compassivo.



A força de vontade era também um traço vincado da sua personalidade, pois, a história é cíclica e tempos difíceis sempre haverão! 

Domingos de Gusmão, fundador da Ordem dos Pregadores (não havendo outra forma de existir sem ser a pregação) delineou como propósito último a salvação da humanidade. 

Assim, fica uma pequena oração:
Jesus Salvador, tu que fizeste de Domingos o mensageiro da palavra; 

Louvor e Glória a Ti! 


Peregrinação a Santiago: “Queira eu o que Deus quer”

Já em casa, de malas desfeitas e sapatilhas de lado, olho para a semana que passou como se fora utopia. 

De forma contraditória, parece ter começado há tanto tempo, mas ter passado tão rapidamente. Agora, é tempo de digerir o que vivemos nestes dias a Caminho e a caminho de Santiago. 

A peregrinação a Santiago de Compostela é bem mais do que os percursos que seguem ao destino da caminhada. Na verdade, é tudo aquilo que permitirmos que seja. Para mim, esta foi uma semana de reencontro com Deus, comigo e com quem vai caminhando ao meu lado. Todos os quilómetros percorridos, em festa ou em silêncio, entusiásticos ou morosos, deram-me a oportunidade de reparar e repensar.

Este caminho que percorri pela segunda vez não soube, de forma alguma, a repetição. Pelo contrário, foi a chance para “encostar a porta” que, há dois anos atrás, tinha deixado entreaberta e nem tinha dado conta... Foi tempo de responder a algumas dúvidas, de reconhecer o meu valor, sabendo que Deus ama a cada um, e de aceitar as minhas falhas com tranquilidade, sabendo que a mudança está a acontecer a cada dia e que para ser duradoura deve ser gradual.
Antes de aceitar este desafio, não tinha a certeza de que devia ou de que precisava de o fazer. Mais tarde, o caminho encarregou-se de me esclarecer. 

Hoje, posso dizer que o meu “copo” está cheio a ¾ - tem tudo aquilo de que preciso, com tantas coisas boas e outras que me fazem crescer, mas com espaço livre para as oportunidades maravilhosas que ainda vão surgir e para as pessoas fantásticas que, sem dar conta, me vão ensinando tanto.







Em jeito de conclusão, deixo a oração de S. Francisco de Assis, que me acompanhou neste Caminho. 

"Senhor, fazei de mim um instrumento da vossa paz:
onde houver ódio, que eu leve o amor;
onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
onde houver discórdia, que eu leve a união;
onde houver dúvida, que eu leve a fé;
onde houver erro, que eu leve a verdade;
onde houver desespero, que eu leve a esperança;
onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
onde houver trevas, que eu leve a luz.
Ó Mestre, fazei com que eu procure mais consolar que ser consolado;
compreender que ser compreendido;
amar que ser amado.
Pois é dando que se recebe;
é perdoando que se é perdoado;
e é morrendo que se vive para a vida eterna."
Sofia Moreira

07/08/2017

Peregrinação a Santiago: Fazer Caminho

“A tua palavra é lâmpada que ilumina os meus passos e luz que clareia o meu caminho.”

Peregrinar até Santiago de Compostela foi, novamente, um desafio para mim. Ao contrário do que sempre pensamos, uma peregrinação não nos afeta apenas fisicamente, mas sim emocionalmente. E afetar não tem um mau sentido.
 

Tal como o Papa Francisco tantas vezes nos diz, estava na hora de calçar as sapatilhas e fazer caminho. Fazer caminho comigo mesma, fazer caminho com o grupo e, acima de tudo, fazer caminho com Ele. E o quão sortuda sou por caminhar ao lado d’Ele!

Esta peregrinação foi desafiante a todos os níveis e muitas vezes Deus disse-me “Confia”. E é difícil confiar por vezes. É difícil ter fé quando a dor física está a levar a melhor. Porém houve sempre uma certeza para mim: “Deus caminha ao vosso lado, nunca vos deixa desamparados. Nunca percam a esperança! Nunca deixem que ela se apague em vossos corações.” (Papa Francisco). E acreditem, saber que Deus caminha ao nosso lado dá-nos toda a esperança que necessitamos para aguentar, porque afinal de contas “Para cada prova uma… esperança”. 

Foi a segunda vez que peregrinei até Santiago, este ano com um novo percurso e com um novo grupo, e a verdade é que não poderia ter sido melhor. Não existiu a sensação de repetição que receava, não existiu o medo de não me integrar. Existiu fé, muita fé em Ti, e muita fé nas pessoas com quem caminhei. Uma fé que move montanhas e uma fé que uniu um grupo de desconhecidos numa caminhada de autodescoberta.

Ao regressar a casa deparei-me com esta passagem de Santo Agostinho: “Meu Senhor, minha única esperança, faz que, cansado, eu não cesse de Te buscar, mas procure o Teu rosto com ardor.” E, mal passei os meus olhos nela, percebi que resumia na perfeição aquilo que senti ao longo da peregrinação. 

Agora, em casa, olho para trás já com saudade. Olho para mim e vejo uma pessoa diferente, vejo alguém que em seis dias cresceu na fé. Vejo alguém que não tem mais receio de confiar em Deus, porque mesmo nos maiores obstáculos, Deus deu-me a mão e fez-me continuar, porque mesmo quando tive que parar, Deus sentou-se ao meu lado e deu-me esperança para acreditar que ia recuperar.

E agora o caminho continua, não até Santiago, mas até à certeza de que Deus é Amor, e que é um amor capaz de abalar o mundo.

Joana Sofia Moreira

05/08/2017

Santiago: Um rumo novo nesta estrada!

Tudo parecia um pouco confuso, aquelas perguntas que pareciam básicas quando tens um caminho supostamente claro e bem definido para fazer, no qual seria só caminhar, sobretudo fisicamente, e aproveitar esta nova experiência. Confesso que, o medo, a confusão permaneciam, tudo menos o tão desejado silêncio. Um turbilhão de ideias, perguntas, sensações iam surgindo inexplicavelmente. As palavras que me invadiam estavam repletas de novidade que a experiência acarretava, dado que, apenas tinha uma pequena noção dos quilómetros, conhecia pouca gente, dos quais a maioria era de vista. E assim, o caminho também se fez de momentos difíceis, momentos de pressão no peito, de formigueiro na garganta e de lágrima no canto do olho preparada para se transformar num rio.

Contudo, tal como o caminho tem etapas, a vida também foi seguindo as suas... Foi assim, que um caminho muito intenso fez com que todos nós nos cruzássemos, nos uníssemos, nos conhecêssemos e, em tão pouco tempo, nos tornássemos essenciais no caminho uns dos outros. Apesar de cada um de nós ser igual a si mesmo, todos nós nos entregámos, nos completámos e nos tornámos mais fortes. Descobri que, passo a passo, grão a grão, seres maravilhosos conquistaram o meu coração com união, partilha, ajuda, amor, sorrisos, abraços, choros, lutas, alegria, paz, força... E todos os gestos e palavras amigas tornaram-se a sensação clara de Deus, Deus que está aqui tão certo como o ar que respiramos. Percebi assim que, chorar lava a alma e sorrir rejuvenesce o espírito.

A energia sentida nas orações, na partilha das refeições, nas palavras de alento, nos testemunhos dos peregrinos, até aos mais simples pormenores, como o olhar daquela criança sentada a beira da estrada, da senhora com o mundo às costas, do cão encostado à rede com sede de carinho, aquele peregrino da vida... ... ... preencheu cada pequeno pedaço de mim, fazendo-me entender que há um rumo novo nesta estrada, um caminho, uma saída…

E juntos chegamos ao início desta nova caminhada com vontade de sonhar, de acreditar, de viver e sem parar de caminhar soando em cada cabeça um "oh Glória a Deus caminhando eu vou para Santiago"!

Assim, agradeço a Deus por vos ter colocado na minha estrada, por me ter preenchido com setas e me ter devolvido a esperança de um novo caminhar, rico do alimento de Deus, porque caminhar ao vosso lado mostrou-me um novo sentido repleto de esperança de vida.



Raquel Nicolau





04/08/2017

Santiago de Compostela: Desafio - CRESCER

Nos primeiros dois dias desta aventura senti-me um pouco inibido, mas quando me entreguei a vocês, quando percebi realmente a união deste grupo, senti que fazia parte de uma grande família, senti-me feliz, sem qualquer filtro, senti-me EU próprio. 
Esta peregrinação ajudou-me a desenvolver como pessoa, a valorizar mais o sentimento, e a presença; e a menosprezar o materialismo. 
Tenho a agradecer a TODOS, às pessoas que fizeram parte deste grupo maravilhoso, que me ajudaram a crescer interiormente, a perceber realmente quem sou, e a reavivar a presença de Deus em mim. Vejo em todos vocês uma parte de mim, vocês ajudaram-me a tornar uma pessoa mais genuína. 
Quero agradecer também às pessoas que tornaram esta peregrinação possível “Organização”, fizeram um trabalho incrível a todos os níveis! 
Na quarta-feira quando anunciaram que no próximo dia seria um dia de reflexão, de oração interior fiquei um pouco desgostoso, pois sentia-me inteirado nesta família, e queria partilhar palavras, emoções, sorrir, conviver com os peregrinos que caminhavam a meu lado; mas no fim do dia de Quinta-feira, percebi realmente a importância daquele dia, a importância da reserva, a importância de nos conhecermos a nós próprios, a reconhecer as nossas fraquezas e a valorizar o arrependimento. 

Se tivesse que escolher qual o dia mais significativo para mim, responderia: TODOS! “O caminho se faz caminhando, e todas as etapas deste caminho se ligam, se conectam.” 
EXPERIÊNCIA AUTÊNTICA! 
OBRIGADO A TODOS!
António José Araújo Ratola

03/08/2017

Peregrinação a Santiago: Um desafio!


Esta peregrinação foi muito mais do que um simples desafio aos pés, foi um desafio espiritual individual e coletivo.

Em termos de organização dou a minha nota máxima porque acho que nada faltou.

Apesar do peregrino agradecer e não exigir, penso que mesmo nas mínimas exigências do apetite nada esteve em falta. Cada membro do grupo se destacou, para mim, neste percurso por motivos diferentes, mas senti o espírito de amor que todos transmitiram, o altruísmo, o saber estar, saber encarar a fé e acima de tudo, partilhá-la.

Nunca me senti tão próxima do meu caminho enquanto cristã como neste caminho e sinto que agora a minha chama está mais acesa que nunca e que não a devo deixar apagar.





Pessoalmente, foi uma experiência enriquecedora e que já deixa saudades, das rotinas, da descoberta e dos momentos abertos para com a nossa fé. 

Espero que todos tenham tido uma memória tão feliz como eu e que continuem a ser como são porque Deus nos aceita como nós somos. Fazer sempre o bem sem olhar a quem, também não esquecer. Fiquem bem!
Joana Coimbra

Peregrinas Ana Filipa e Joana Coimbra




31/07/2017

Peregrinação Santiago de Compostela ’17




Como havemos de começar?
Antes de mais, parabéns a todos. Foi uma etapa especial para a vida de cada um e eu gostei imenso que esta etapa tenha sido partilhada com vocês, um grupo que eu não conhecia e, que, no final desta jornada parecia conhecer-vos à meses!!
Honestamente eu pensava que ia ser mais difícil fisicamente, mas depois de termos chegado, claramente tinha percebido que foi um caminho muito mais psicológico e emocional do que físico.
Todas as pessoas que colaboraram com as orações ajudaram que esta viagem fosse entre nós e Ele. Tenho a certeza que neste caminho todos perderam o medo de fazer alguma coisa e isso deixa-nos confiar mais, deixa-nos abrir mais para com Ele.
“Quanto mais conhecemos, mais amamos.”
É verdade, o primeiro passo é conhecermo-nos a nós próprios, admitir que temos fragilidades e apesar das nossas fraquezas ter a consciência de que somos capazes de qualquer coisa se nos concentrarmo-nos em resolvê-la.
Foi a minha primeira peregrinação e a primeira vez na equipa de organização. Se foi incrível, espetacular, lindo?
Sim foi, mas foi isto tudo e muito mais porque o nosso grupo o possibilitou.
Eu não sou um gajo de muitas palavras… Eu simplesmente sou demasiado alegre e gosto de passar essa imagem às pessoas!
Cada pessoa é especial com a sua maneira de ser, todos ajudaram todos, quando houve dificuldades e foi isto que criou esta união que nos permitiu acabar esta jornada todos juntos.
Já ouviram ou leram estas palavras centenas de vezes, mas, uma última vez:
“Chegamos a Santiago de Compostela, fizemos o caminho, agora somos enviados!”




Luís Almeida

Fotos de Matilde Gil e outros peregrinos

Ecclesia notícia o Dominismissio

http://www.agencia.ecclesia.pt/radio/radio/dominismissio-emissao-27072017/

Com a divulgação do sexto Dominismissio, a população de Estremoz prepara-se para acolher...
Que nós também nos preparemos pela oração e pela disponibilidade de coração!!!
<3 nbsp="" p="">

20/07/2017

Sugestão de férias:

Um Filme a ver: 

"A Missão", um filme que marcou muitas gerações, vejam ou revejam, porque pode ajudar a perceber o Papa Francisco. Em concreto a sua preocupação ambiental e identidade religiosa e já foi recomendado pelo presidente da Academia Pontifícia das Ciências Sociais:



13/07/2017

Que semeamos? Que colhemos?

Abre os teus olhos, desfruta as coisas boas que tem a vida!
Ah que dá-Lhe graças sempre...

12/07/2017

Jovens vivam com dignidade!


Tempo de férias!! E tu, como vais viver as tuas férias??? 
"Grande parte das soluções estão nas nossas mãos! Queremos comprometer-nos! Santo Padre sois testemunho vivo da alegria do Evangelho!"
O Papa Francisco responde, lembra-nos que o carinho, o amor não se compra com o dinheiro! Que um  carro grande não traz felicidade! Que é mentira que a única forma de ser feliz é o narcotráfico, e é Jesus que nos diz, que é mentira.. "
Propõe-nos 3 palavras: Riqueza; Esperança e Dignidade
- Riqueza -  Vocês são a riqueza do Evangelho!
- A Esperança que nos dá Jesus Cristo! 
E a Dignidade que lhe dá o não deixarem ser mercadoria! 
A dignidade de Filhos de DEUS! A dignidade própria dos cristãos!

E tu, queres comprometer-te? Com quem? Com que valores?
Ir. Flávia Dores, op